# 762



"Quero dizer-te coisas indecentes ao ouvido. Digo-tas simulando que o não faço. Creio que não mas queres ouvir. Empurraste-me de novo e esfregas o meu rosto na superfície irregular, enquanto me seguras pelo cabelo. Não sei de ti. Só de mim. Enfraquecida, letárgica, depois da corrente que me atravessou."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Tânia João

# 761



"Mas, no fundo, o que mais me incendeia o corpo é o teu olhar."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Maria João Alves

# 760



"Eu procuro um amor no oceano,
Este mar entre o meu e o vosso,
Um barco à sua deriva."

Texto: Maria José Amorim
Foto: Ana Marques

# 759



"O medo tem a minha altura. Tu me dirás se é grande."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Ana Gilbert

# 758



"- Como é possível gostares tanto de mim?
- O meu coração é elástico... quanto mais gosto de ti, mais ele cresce; e quanto mais cresce, mais eu quero gostar.
- E se crescer tanto que, um dia, rebenta?
- Tu apanharás os pedaços um a um... sei que sim. E pedaço a pedaço, voltarás a recompô-lo."

Texto: Paulo Kellerman
Desenho: Maraia



# 757



"E no teu falar, as palavras têm aquele peso secreto que define a água e as nuvens, autêntico mergulho num lugar distante que provavelmente nunca existirá."

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Carla de Sousa

# 756



"Julgava ser um dos poucos que nunca abdicara de nenhum segundo, que vivera a vida num fluxo contínuo, como achava que devia ser. E agora estava velho."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Vilma Serrano

# 753


"Sinto que ainda ficou um abraço meu perdido nos teus braços.
Estou aqui,
agora,
à espera que o venhas devolver."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Florbela Leopoldo

# 752



"Nada do que sou chega a ti, nada do que sinto parece chegar para ti. Fazes com que me sinta metade vazia sem a tua metade que iria encher-me por completo."

Texto: Helena Simão
Foto: Sílvia Bernardino

# 751



“moonwalk
gosto das escadas que me levam os passos, do chão automático que me impede de voltar atrás. debaixo dos pés, motores e engrenagens são como um céu que alimenta o caminho.”

Texto: Sónia Oliveira
Foto: Elisabete Antunes

# 750



"Os segredos das crianças são chaves que mais tarde vão abrir a vida."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Maria João Alves

# 749



"Quero ser vento e ter raízes."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Mónica Brandão

# 748



"Ando à procura do teu sorriso há tanto tempo que temo não o reconhecer quando o reencontrar."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Rita Fernandes

# 747



"Abraço.
O meu corpo,
aprisiona-o.
Os meus braços,
soltam-no.
O teu corpo,
quer.
A tua pele,
deseja.
Os teus braços,
dizem-no.
Será meu!"

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Rosa Paixão

# 746



"Sereno e distante do mundo,
como se eu mesmo fosse esta praia,
este mar e este sol..."

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Tânia João

# 741



"certas coisas estão certas assim e estão certas assado. depende de onde se vê e para onde se vai."

Texto: Sónia Oliveira
Foto: Ana Moderno

# 738



"É a memória das tuas mãos que não me deixa dormir."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Carla de Sousa

# 737



"As florestas sem caminhos são um mistério que quero percorrer dentro de mim. Sem medo de me perder."

Texto: Cláudia Rocha
Foto: Mónica Brandão

# 736



"Não dou explicações do que tenho a fazer, além do amor."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Ana Marques

# 735



"Uma casa tão única e especial como ela. Daquelas com música e tudo. E passarinhos no jardim, claro."

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Sílvia Bernardino

# 734



“Se soubesse matemática dedicar-se-ia nesse momento ao cálculo das probabilidades de se encontrar a pessoa para quem se nasce.”

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Sónia Silva

# 733



"Trago-te vida. Toma, agarra-a."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Maria João Alves

# 732



"Apeteceu-me abraçá-la. Tenho a mania dos abraços e a convicção de que curam quase tudo."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Rita Fernandes

# 731



"e,
num minuto de estática, perdi o equilíbrio."

Texto: Sónia Oliveira
Foto: Sílvia Bernardino

# 730



"tenho o molde das coisas guardado nas minhas mão nuas
em calos colinas silêncio e golpes de asa"

Texto: Sónia Oliveira
Foto: Teresa Maria dos Santos

# 729



"Há universos dentro de mim, infinidades de sonhos e pensamentos, de emoções e quereres e dádivas. Mas tudo o que vês quando me olhas é pele; nunca notaste como sou transparente."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Carla de Sousa

# 728



"Eram mais que amigos. Eram irmãos, não de sangue mas de vida"

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 725



"Olhei para a água, chegado o momento. Acabava-se tudo. O frio perdia importância. Eis que aqueles insectos parecendo náufragos de mãos dadas me salvaram."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Sónia Silva

# 724



"O que será de mim sem alma?"

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Mónica Brandão

# 723



"Aqui não se bate à porta, não se chama, é-se a própria batida."

Texto: Cláudia Rocha
Foto: Teodora Baruc

# 722



"Diz-me como me sentes, dir-te-ei quem sou."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Ana Gilbert

# 721



"Serena, esta fala deste mar.
Doce este silêncio,
que deixa adivinhar a lua."

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Ana Marques

# 720



"Apetece-me algo invisível, vou procurar."

Texto: Andreia Monteiro
Foto: Rita Fernandes

# 719



"E o chão doía a cada passo meu porque caminhava descalça de ti".

Texto: Helena Silva
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 718



"Eram mais que amigos. Eram irmãos, não de sangue mas de vida."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Sónia Silva

# 717



"Desconfio da aparência da tua vontade quando a mão que estendes é fria nos gestos."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Maria João Alves

# 716



"- Já te disse, hoje, as saudades que tenho da tua voz? Da sua vibração no meu tímpano? Já te disse? O caminho que esse teu, tão teu, timbre percorreu e sobressaltou? Creio que sabes... não preciso de o dizer, então."

Texto: Clara Vales
Foto: Rui Mãos de Cenoura