# 587



"Não conheces a forma dos meus dias nem o conteúdo dos meus sonhos. Não sabes nada de mim."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Sónia Silva

# 586



"Era um quase tudo
que acabou por ficar quase nada.
E de quase em quase... ficou nada."

Texto: Helena Silva
Foto: Sílvia Bernardino

# 585



"Durmo, vou fugindo. Fujo da dor de pensar."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Tina Azinheiro

# 584



"Lá fora o vento ruge, violento. Ou se calhar é dentro de si. Não sabe."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 583



"O meu corpo é todo ele evasão."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Maria João Alves

# 582



"A esplanada vazia de gente de tudo menos de nós. Tu os teus cabelos dourados os teus olhos azuis e o teu corpo vestido de preto e amarelo. O teu corpo enchia a esplanada vazia de gente. O teu corpo enchia-me o olhar. As tuas pernas nuas cruzadas debaixo da mesa na esplanada enchiam o espaço que nos separava. E como o espaço ainda nos separava. Os nossos olhos cruzaram, os teus no infinito os meus nos teus. As vidas cruzam-se assim como os olhos se cruzam num olhar, como um simples cruzar de pernas, as tuas, no momento de um olhar meu, furtivo aos teus olhos. Fizemo-nos acreditar naquele olhar e agora estás a meu lado, na esplanada vazia de gente mas cheia de nós."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Rui Mãos de Cenoura

# 579



"A temperatura sente-se como espadas. Encharca as meias, a saia, a pele arrepiada e dorida, os cabelos colam-se às costas para, mais à frente, flutuarem como algas."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Ana Moderno

# 578



"Não perguntou. Nunca perguntou
porque teve medo da resposta.
E preferiu virar as costas.
E viver tranquila. Com a dúvida. O resto da sua vida."

Texto: Helena Silva
Foto: Rosa Paixão

Modelos: Silana Lopes e Bruno Silva
MUA: Anabela Vieira

# 577



"O melhor lugar do mundo é o lugar vazio ao teu lado."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Carla de Sousa

# 576



"Há dias em que temos vontade de comer chocolates como se não houvesse metafísica."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 575



"Todas as ruas conduzem ao mar."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Mónica Brandão

# 574



"Pergunto-te: não seriamos mais felizes se assumíssemos as nossas contradições, as intermináveis provas de que a vida não é rectilínea, de que de nada vale ter planos e delinear projectos, porque tudo o que podemos fazer, tudo o que nos é concedido, é ir improvisando?"

Texto: Miguel Clemente
Foto: Rui Mãos de Cenoura

# 573



"Ainda lembro a forma como o teu olhar brilhava quando me vias chegar."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Inês Sarzedas

# 572



"Amor
sem toque
é desabrigo
são ruelas sujas de nós
é desacordar
nas madrugadas sós
como quem a espera
é acordar adormecido."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Frankie Boy

# 571



"Não fujo. Mas às vezes apetece sair de nós um bocadinho."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Rosa Paixão

# 570



"da sensação de que é preciso sabermos viver para além da morte e de uma eternidade seduzida em tons de queda, onanismo e ascensão, sem quaisquer limites"

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Sónia Silva

# 569



"Na entrega do teu corpo descobri a rendição do teu espírito."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Maria João Alves

# 568



"Tenho mergulhado no silêncio para não te sentir. Tenho cerrado os olhos para não te ver. Tenho sustido a respiração para o nível da inexistência do sopro e fechado o coração para a total ausência de cor e vida. E, no entanto, mais que nunca, a tua presença é cada vez mais nítida e envolvente. O meu pulso acelera ainda na reminiscência do que fomos."

Texto: Clara Vales
Foto: Sílvia Bernardino

# 567



"E ela, que era ar e fogo, sabia-se terra sempre que ele aportava no seu olhar."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Cláudia Andrade

# 566



"O dia cola-se à noite, sem que dê pelo sol. É sempre de noite, nos seus olhos."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Andreia Pereira

# 565



"No meio da timidez procuro esconderijo para as mãos."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Inês Sarzedas

# 564



"Cada coisa encerra infinitas possibilidades de ser."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Rui Mãos de Cenoura

# 563



"Espero-te.
Fiz das minhas mãos um ninho.
É dentro delas que te embalo e protejo.
A salvo do mundo, a salvo da vida."

Texto: Helena Silva
Foto: Sílvia Bernardino

# 562



"O mar é como um deus e as ondas são como os homens; e como muitas vezes acontece com os homens, também as ondas sentem uma necessidade indomável de fugir ao seu deus, em busca de liberdade, em busca da sua individualidade. Sacrificam a própria existência ao desejo de liberdade. Percebes? As ondas fogem do mar. Buscam na areia das praias a sua libertação; e conseguem-na, mesmo que dure escassos instantes. Preferem um momento de individualidade a uma eternidade de submissão."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Maria João Alves

# 561



"Cresce-me a vontade de fugir para longe de mim."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Sílvia Bernardino

# 560



"Ia jurar que senti o teu sussurro, ainda há pouco, num sopro sobre o meu decote. Ia jurar que esse indelével toque me fez estremecer entre os teus dedos. Ía jurar que os teus lábios tocaram a minha pele e se inebriaram na minha essência. Ía jurar que o tempo, ali mesmo, parou. Susteve-se e depois... recriou."

Texto: Clara Vales
Foto: Carla de Sousa

# 559



"Às vezes finjo que não te espero."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 556



"O que eu queria era não desesperar com o tempo que ainda me resta hoje, com o amanhã, o depois de amanhã. O que fazer com todo este tempo se só tu sabias como o preencher de cor, de emoção, de amor?"

Texto: Helena Simão
Foto: Rui Mãos de Cenoura

# 555



"Será o destino da folha permanecer prisioneira do seu tronco, libertar oxigénio, balancear ao sabor das carícias do vento, perder a cor e cair desamparada, definhar até fazer parte da terra, alimentar as raízes que um dia a alimentaram? Ou libertar-se e divagar sob o céu azul, ser acariciada pelas mãos suaves de uma mulher ou pelos dedos perscrutadores de uma criança?"

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Rosa Paixão

# 554



"Cada início é um primeiro passo em direção ao fim inevitável.

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Mónica Brandão

# 553



"Despi as mãos dos outros anéis. Deixei o teu para saber de onde venho."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Maria João Alves

# 552



"Faria pouca diferença limpar as marcas da tua passagem no meu corpo a cada colisão. Os relacionamentos amorosos, casos de vida maior, morrem como tudo o que pulsa."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Rui Mãos de Cenoura


# 551



"Pega nos teus dedos e segue as minhas curvas, serias o primeiro."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Carla de Sousa

# 550



"Não nos restam eternos nem infinitos e fazem-nos muita falta. Sem eles ficamos perdidos, sôfregos, à procura de mais em tudo."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Sílvia Bernardino

# 549



"numa sedução de preto e branco que a cada minuto se restabelece numa onírica imensidão estética de prata e infinito"

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Inês Sarzedas

# 548



"Por vezes, o universo pára para te admirar; e sorri. Mas tu nem reparas."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Sónia Silva

# 547



'Já não tenho asas e toda esta dor é a condição humana.'

Texto: Mónia Camacho
Foto: Rui Mãos de Cenoura

# 546



"Guardamos tudo, porque tudo nos parece tão importante. Vivemos em estado permanente e exaltado de paixão. Só que essa paixão concretiza-se num amor disperso, que atinge tudo com a mesma intensidade: uma música ouvida pela primeira vez, um quadro que se descobre numa revista, um poema mostrado por um amigo, um sorriso de um quase desconhecido, um reflexo numa janela, um beijo de um namorado, o planar de um pássaro, o ruído metálico de um balancé enferrujado a bailar ao sabor do vento, a matiz do azul do mar num determinado momento, uma conversa na escuridão, o prazer momentâneo de um cigarro ou de um copo de vinho ou de um pedaço de chocolate ou de um pastel de nata, uma carícia inesperada, uma mensagem no telemóvel, o riso de uma criança. Compreendes? Tudo é passível de despoletar paixão. Ou se preferires: tudo é um pretexto. Pretextos para ser feliz. Ou para tentar, pelo menos."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Sílvia Bernardino

# 545



"Vivemos vidas inteiras nos intervalos dos dias."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 544



"Tememos morrer pelo esquecimento e que tenha sido vão o nosso esforço para permanecer, acerca de nós, uma evidência."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Sónia Silva

# 543



"Todos os caminhos vão dar ao inferno da carne onde ardo por ti."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Carla de Sousa

# 542



"Há quanto tempo silencias a fome de afecto, aceitando o desejo como disfarce."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Maria João Alves

# 541



"A fragilidade vai sempre nua."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 540


"violam minuto a minuto as nossas almas neste seu apocalíptico universo recortado em sons de prata e poesia, tão belo e aterrador que nos deixa nus e solitários perante as coisas mais simples do mundo e da vida"

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Frankie Boy